quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Muge sem médicos

«Em Salvaterra de Magos, José Sócrates e o Partido Socialista, querem 'tratar-me da saúde'...

Preciso de medicamentos. Um deles, dizem-me, não devo descurar, trata-se do Coaprovel (estabilizador da tensão arterial). E de uma consulta de Otorrino, uma vez que de repente comecei a ouvir mal (pouco) e em eco.

Fui mesmo agora ao 'meu' Centro de Saúde para obter receita de medicamentos e uma credencial para marcar consulta para um especialista de Ouvidos.

Não há médicos. Não há consultas. Não há receitas para medicamentos. Não há credenciais.

O que faço? Perguntei à menina que atende numa Extensão do Centro de Saúde Salvaterra de Magos.

Simpaticamente respondeu: "em relação ao Otorrino, pode ir a Almeirim, na Clínica do Dr. Chambel há lá uma boa especialista particular (ou seja, tenho que pagar a consulta). Os medicamentos, das duas uma, ou espera pela próxima quinta-feira (possivelmente já haverá solução), ou vai à farmácia e assume o pagamento integral".

Voltei à carga: e os cerca de 200 euros que pago por mês para a Segurança Social?

Mais uma vez com um sorriso nos lábios, sou desarmado pela funcionária pública: "pois...sobre isso não lhe sei dizer nada".

Não sabe ela, mas sei eu:

Viva José Sócrates!

Viva o Partido Socialista!

Viva Portugal!»




sábado, 23 de outubro de 2010

Glória do Ribatejo: Arsénio Coutinho pediu ajuda à GNR após matar pai

«Eram 20h30 de quarta-feira quando Arsénio Coutinho, 37 anos, pegou no telemóvel para ligar para o 112. Tinha acabado de matar o pai à pancada e afirmava estar numa rua de Glória do Ribatejo, Salvaterra de Magos, a precisar de ajuda da GNR por temer justiça popular.

(Arsénio Coutinho, que matou o pai à pancada, foi conduzido pela GNR à cadeia do Montijo, onde aguarda julgamento em prisão preventiva)


Arsénio foi encontrado por militares do posto de Marinhais coberto de sangue e com sinais de estar alcoolizado. Fontes policiais disseram ao CM que o antigo topógrafo estava consciente da forma como tinha morto o pai, João Nunes Dias, de 57 anos. Por isso, queria que a GNR lhe garantisse segurança.

Levado para o posto da Guarda de Marinhais, Arsénio Coutinho tinha o corpo repleto de vestígios importantes para a investigação. No entanto, ao que o CM apurou, a PJ de Lisboa recusou-se a efectuar a detenção do parricida, argumentando que havia flagrante delito. Teve de ser o comandante do Destacamento da GNR de Coruche a passar mandado de detenção, fora de flagrante delito, para que Arsénio Coutinho ficasse preso. A PJ enviou uma brigada a Glória do Ribatejo apenas para recolher vestígios. Arsénio Coutinho está em prisão preventiva na cadeia do Montijo.

"TEVE PERCEPÇÃO DO QUE FEZ E TEVE MEDO"

João Baptista Oliveira preside à junta de freguesia de Glória do Ribatejo, concelho de Salvaterra de Magos. O autarca conviveu com Arsénio Coutinho desde tenra idade e "lamenta profundamente" o desfecho trágico que a relação do conhecido com os pais acabou por ter. "Há algum tempo que ele assumia atitudes estranhas, como rezar na rua em frente a santinhos e atirar motos contra as pessoas", recordou. Quanto ao medo que Arsénio Coutinho sentiu da reacção popular, João Oliveira considera-o "possível". "Ele teve percepção do que fez e teve medo", concluiu.»


in CM online, 23-10-2010


sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Glória do Ribatejo: Arsénio Coutinho, acusado de espancar o pai até à morte, ficou em prisão preventiva

«O homem detido quarta feira à noite, em Glória do Ribatejo, Salvaterra de Magos, por suspeita de ter espancado o pai até à morte vai aguardar julgamento em prisão preventiva, afirma fonte da GNR.

- José Nunes, irmão da vítima mortal -


O suspeito, de 37 anos, foi ouvido esta manhã pelo juiz de instrução criminal do tribunal de Benavente e recolheu ao estabelecimento prisional do Montijo.

Quarta-feira, pouco depois das 20h00, o homem terá espancado o pai, de 57 anos, até à morte, depois deste o ter tentado impedir de agredir a mãe.»


in CM online, 22-10-2010

João Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo: "Somos todos culpados nesta morte"

«Filho matou o pai a murro e pontapé. GNR conhecia a violência doméstica. Médico de família também.


- João Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo -


"Tanto que eu pedi ajuda às pessoas", balbuciava enquanto chorava Quitéria Coutinho, de 58 anos, à porta de casa, quarta-feira à noite, olhando para o corpo do marido, José Nunes Dias, de 57, que jazia na estrada empoeirada, em Glória do Ribatejo, Benavente.

Quitéria, com feridas na cara provocadas pelas agressões do filho, Arsénio Coutinho, 37 anos, assistiu à morte do marido. "Ela viu o filho a dar murros e pontapés na cara do pai desmaiado no chão", descreve José Nunes, de 65 anos, tio do agressor, vizinho e testemunha do crime.

Arsénio, com formação em desenho técnico, topógrafo profissional, gosto pela cultura e amante de informática, terá problemas psiquiátricos. "Ele deveria sofrer de problemas de esquizofrenia. Era uma pessoa revoltada. Existiam várias queixas na GNR por violência doméstica", explica o vizinho do casal Coutinho, João Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo.

Os pais de Arsénio já tinham apresentado tantas queixas à GNR quanto as que retiraram.

O presidente da Junta de Freguesia encontra culpados. "Somos todos culpados nesta morte. Os amigos e a família conheciam a situação, o médico da família foi alertado várias vezes pela mãe para o estado psicológico do filho, a GNR sabia dos espancamentos. Sabíamos que um dia podia acontecer uma tragédia. Aconteceu", diz, inconformado, o presidente.

Arsénio Coutinho vivia em casa dos pais. As agressões a João e Quitéria eram frequentes. "A maior parte das vezes era para eles lhe darem dinheiro", explica o tio José.

"Ele gostava de ir a um bom restaurante e beber uma boa garrafa de vinho", continua João Oliveira. Ultimamente, Arsénio gostava de se passear pela vila numa trotinete eléctrica.

Segundo os vizinhos, o aparelho de topografia a laser que o pai lhe comprara poucas vezes saía do estojo para o campo de trabalho.

"O feitio dele não ajudava. Causava mal-estar onde estivesse", explica João Oliveira.

Quarta-feira, ao fim do dia de trabalho como fresador numa empresa de Alverca, José Dias chegou a casa. "O filho fartou-se de o aborrecer. À porta de casa deu-lhe um encontrão com a trotinete. O meu irmão caiu e ficou desmaiado", explica o tio de Arsénio.

Segundo as testemunhas, a mãe acorreu em socorro do marido e foi agredida a soco pelo filho. Arsénio começou então a socar e a pontapear desenfreadamente o pai desmaiado.

"O meu irmão ficou todo desfigurado. Ele até saltou em cima da cara dele", conta o tio, que se deslocou para o local a cerca de 50 metros da sua casa.

Arsénio, ao ver os vizinhos aproximarem-se, saiu do local por uma zona de campo. Foi detido pela GNR a cerca de 500 metros da casa onde vivia com os pais.

"Ainda chamámos o INEM, mas ele estava já com a pulsação muito fraquinha", conta José Nunes.

Arsénio vai ser ouvido hoje de manhã no Tribunal de Vila Franca de Xira.»


in DN online, 22-10-2010


quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Glória do Ribatejo: Assassinou o pai à pancada

«Uma desavença entre pai e filho acabou ontem à noite com o segundo a assassinar o progenitor ao murro e pontapé, em Glória do Ribatejo, concelho de Salvaterra de Magos, Santarém.




O homicida confesso, de 37 anos, e com um passado já manchado por processos de violência doméstica, acabou por se descontrolar durante a discussão e matou o pai, de 57 anos, à pancada. Depois do crime, o homem telefonou às autoridades para se entregar.

Foi enviado ao local um carro-patrulha da GNR de Coruche, que efectuou de imediato a detenção do sujeito. O homem será hoje ouvido em tribunal. À hora de fecho desta edição, as autoridades estavam ainda no local do crime.»

in CM online, 21-10-2010

Glória do Ribatejo: Filho agrediu pai até à morte

«Um homem de 37 anos agrediu, ontem, quarta-feira, até à morte o seu pai, de 57, à porta de casa, em Glória do Ribatejo, Salvaterra de Magos.

As autoridades foram alertadas para o sucedido pelas 20.30 horas, depois de o homem ter telefonado para a polícia.

Segundo a GNR, que procedeu à detenção, o homem tem antecedentes por violência doméstica e será presente hoje, quinta-feira, a tribunal para primeiro interrogatório judicial.»


in JN online, 21-10-2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Empresa de Transportes Ribatejana assegura transportes públicos em todo o concelho de Salvaterra de Magos



Em colaboração com o Município de Salvaterra de Magos, foi acordado o novo projecto de carreiras de Transporte Público a servir o concelho (MAGOS BUS). Os horários vão servir fundamentalmente os alunos, nas deslocações Casa - Escola, Trabalhadores, nas deslocações Casa - Emprego, e restante população nas deslocações internas na rede municipal.


Mais informação e horários em:

domingo, 10 de outubro de 2010

António Henriques, natural de Salvaterra de Magos, sagrou-se campeão ibérico de BTT

«António Henriques, natural de Salvaterra de Magos, sagrou-se campeão ibérico de 24 horas BTT, na categoria solo masculina do troféu “PTopenXCR”, ao alcançar o 1º lugar na prova derradeira, que se realizou em Manteigas, no skiparque do Sameiro.


O “PTopenXCR” disputou-se em quatro desafios realizados em circuito fechado, durante 24 horas, com distâncias nunca superiores a 13 quilómetros. O campeão apurou-se mediante a soma de pontos em cada uma das provas.

O esforço de António Henriques, que representa a equipa da BarboRacing / Polisport, foi recompensado depois de muitas horas a pedalar ao frio, sob temperaturas baixíssimas, a rondar os 3ºc, e mais tarde sob temperaturas elevadíssimas, como em Proença a Nova e Castelo Branco, totalizando mais de 1.000 quilómetros em 84 horas de provas.

O jovem de Salvaterra de Magos tornou-se o primeiro português a sagrar-se campeão ibérico nesta prova.»


in O Ribatejo online, 09-10-2010

sábado, 9 de outubro de 2010

Foca encontrada morta na Vala de Salvaterra de Magos (notícia actualizada c/vídeo)


Um pescador da Vala de Salvaterra de Magos encontrou na água uma foca morta na noite de dia 7 de Outubro e arrastou o animal até ao cais. Na manhã desta sexta-feira, a presença da foca atraiu a atenção de muitos curiosos que nunca tinha visto aquela espécie junto ao Tejo, quanto mais dentro da vala.




Vigilantes da natureza da reserva do Estuário do Tejo, ao serviço do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade acorreram ao local após informação do serviço de Protecção da Natureza e Ambiente (SEPNA) do destacamento da GNR de Coruche.

“Não sabemos que se possa ter passado já que nunca ocorreu uma situação semelhante com uma animal desta espécie. Provavelmente por alguma situação errante e de desorientação subiu o Tejo e morreu de causas ainda desconhecidas”, comentou o vigilante a O MIRANTE. Recolhidos dados do animal, apurou-se que tem 2,20 metros de comprimento e um peso estimado de 200 quilos.

O cadáver do animal foi removido do cais com recurso a uma retroescavadora e foi transportado para a Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa, onde será efectuada a necrópcia para apurar a causa da morte.

Um pescador da Vala de Salvaterra de Magos afirmou-se espantado com a situação, que nunca tinha vivido. “Ficámos admirados de ver uma foca aqui. Quanto muitos vemos lontras e outros animais, focas é que nunca”, garante.

Outro morador de Salvaterra de Magos garantiu a O MIRANTE apenas golfinhos tinham por hábito subir o Tejo mas essa situação remonta aos anos 40 do século XX.


in O Mirante online, 08-10-2010

video

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Muge: Morreu o Luís Gato


- Luís Caixa (Gato), 36 anos, faleceu ontem vítima de cancro -



César Diogo, presidente da Junta de Freguesia de Muge, diz que esta música era a preferida do Luís:



Foto e vídeo in Facebook de César Diogo


Nota:
O funeral do Luís realiza-se amanhã, sexta-feira, pelas 10h00, da igreja de Muge para o cemitério local.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

"Vou à farinha a Muge"



Consta que em tempos houve um cavalheiro em Benfica do Ribatejo que gostava das cachopas de Muge, terra vizinha a cerca de 7km.
Era um homem namoradeiro, mas discreto.
Quando alguém maliciosamente o questionava sobre a razão das suas frequentes idas a Muge, ele prontamente respondia: "Vou à farinha a Muge".
Claro está que em Muge existia um ou vários moleiros que forneciam farinha, mas...a farinha deste ilustre Don Juan era outra.