quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Muge: Quatro detidos por pesca ilegal

«A GNR deteve na localidade de Muge - Salvaterra de Magos, ontem, dia 27 de Dezembro, quatro indivíduos de nacionalidade portuguesa.


- Foto de arquivo -

A RCT recebeu o seguinte comunicado da GNR:

No âmbito de uma acção de fiscalização ao exercício da pesca, realizada por militares dos Núcleos de Protecção Ambiental dos Destacamentos Territoriais de Coruche e de Santarém, ontem cerca das 23.00 horas, na localidade de Muge, Concelho de Salvaterra de Magos, foram detidos quatro (4) indivíduos de nacionalidade portuguesa, com idades compreendidas entre os 21 e os 26 anos de idade, residentes no concelho de Salvaterra de Magos, pela prática de crime de pesca ilegal ao meixão (enguias em estado larvar), utilizando para o efeito artefactos de pesca proibidos.

Em toda operação, a qual se prolongou pela manhã de hoje, foram apreendidos 3,120 kg (Três quilos e cento e vinte gramas) de meixão, os quais foram devolvidos à água, diversas redes com malhas inferiores ao permitido por Lei e diversos apetrechos utilizados na pesca.

Os detidos foram notificados para comparecer no Tribunal Judicial de Benavente.»


(28-12-2010)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Muge: Colisão faz um ferido grave e três ligeiros

Ferido grave teve que ser transportado para Lisboa num helicóptero do INEM




Uma pessoa ficou gravemente ferida e outras três sofreram ferimentos de menor gravidade numa colisão de duas viaturas ocorrida, cerca das 17:50, na estrada municipal 581, entre Muge e Glória do Ribatejo (Salvaterra de Magos).

Fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro disse à agência Lusa que o ferido grave teve que ser transportado para Lisboa num helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica.

No local estiveram ainda seis viaturas das corporações de bombeiros de Salvaterra de Magos e Almeirim e a GNR.


Imagem Google


sábado, 18 de dezembro de 2010

Quatro pessoas detidas em Salvaterra de Magos por furto de pinhas



«Quatro pessoas foram detidas, na tarde do dia 16, pelo Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente de Santarém, por furto de pinhas.

Tinham na sua posse 120 quilos de pinhas com o valor presumível de €1000,00.

Os suspeitos, dois homens e duas mulheres, foram notificados para comparecer em tribunal.»


Imagem in Google

sábado, 11 de dezembro de 2010

Cadastrados apanhados pela GNR durante fuga após assalto na Glória do Ribatejo

«A GNR deteve quatro indivíduos que se puseram em fuga após uma tentativa de assalto falhada a uma residência em Glória do Ribatejo, concelho de Salvaterra de Magos, na sexta-feira, 10 de Dezembro, pouco depois das 9 horas da manhã.


- O grupo foi capturado na EN118, entre Salvaterra de Magos e Marinhais -


O roubo não foi consumado porque os gritos das vítimas alertaram os vizinhos e outros populares.

No entanto, o proprietário da casa ainda foi agredido pelos assaltantes, antes da fuga.

Os detidos, com idades entre os 21 e os 28 anos, foram interceptados poucos minutos depois por várias patrulhas da GNR na Estrada Nacional 118, na zona do Paul de Magos, entre Salvaterra e Marinhais.

Segundo o comandante do destacamento de Coruche, Capitão Oliveira, três deles têm cadastro por roubos e crimes com recurso a violência.

Foram presentes durante a tarde a um juiz de instrução criminal do Tribunal de Vila Franca de Xira.

Além do carro usado pelos assaltantes, a GNR apreendeu ainda duas armas de fogo, gorros e luvas.

Os autores do crime tentaram desfazer-se deles durante a fuga, mas os militares bateram o terreno e acabaram por recuperar as provas.

“Esta detenção foi possível graças ao rápido alerta dado pela população e ao curto espaço de tempo em que o nosso dispositivo se posicionou para cortar as principais vias rodoviárias que podiam servir para consumar a fuga”, salientou o Capitão Oliveira.

A GNR empenhou um dispositivo composto por cinco viaturas e 13 militares das equipas de intervenção, patrulhas e da investigação criminal.»


in O Ribatejo online, 11-12-2010


quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Concelho de Salvaterra de Magos promovido na Feira Nacional de Artesanato e Gastronomia da Marinha Grande

A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos marcará presença na XXI Edição da Feira Nacional de Artesanato e Gastronomia da Marinha Grande, com um stand de promoção do concelho junto dos milhares de visitantes que irão passar pelo Parque Municipal de Exposições da Marinha Grande, cidade geminada com o nosso concelho no âmbito da cultura avieira.




O certame, que decorrerá entre os dias 26 de Novembro e 5 de Dezembro no Parque de Exposições da Marinha Grande, visa defender e valorizar este património cultural, constituindo-se como um espaço de encontro e reencontro de tradições seculares, reflectidas na criatividade das peças manufacturadas e nos sabores das melhores iguarias.

Mais uma vez, é possível apreciar a perícia dos artesãos que estarão ao vivo a trabalhar as suas peças genuínas, contando o stand do nosso concelho com particular enfase na Falcoaria Real, não esquecendo os nossos vinhos, produtos regionais e locais de interesse turistico, num convite permanente à descoberta do nosso concelho.


A feira dá a provar o melhor da gastronomia tradicional, com produtos regionais, exibem-se queijos, doces, enchidos, a tradicional poncha da madeira, entre muitos outros motivos de particular interesse.


Diversão e convívio estão garantidos, este ano, a novidade é a aposta na animação cultural que vai ao encontro do público jovem, com destaque para o grupo musical “”A Caruma”, “Banda Grad’ House”, “Men in Transit”, entre outros, que irão juntar-se a Tunas Académicas, Orquestras, grupos de folclore e etnográficos.


A Área de Artesanato estará aberta ao público de segunda a sexta-feira, das 18h00 às 24h00 e aos fins-de-semana e feriado, das 12h00 às 24h00. A Área de Gastronomia abre de segunda a sexta-feira, das 12h00 às 17h00 e das 18h00 às 24h00, e aos fins-de-semana e feriados, das 12h00 às 22h00.

O Concelho de Salvaterra de Magos tem sido presença assídua nas edições desta exposição, não obstante a grandeza e dimensão do evento, mas também no sentido de promover e afirmar o intercâmbio cultural entre os vários locais e regiões e fortalecer os laços de união que estiveram subjacentes à geminação celebrada entre o Município de Salvaterra de Magos e o Município da Marinha Grande. A geminação celebrada assenta na Cultura Avieira, agora candidata a património nacional.

Visite a Marinha Grande, cidade geminada com o nosso concelho, e a Feira Nacional de Artesanato e Gastronomia.




sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Marinhais: Festa solidária em favor de Mariana e Filhos




«No próximo dia 27, sábado, a partir das 15h00, o recinto da Comissão de Festas de Marinhais é o cenário de uma festa solidária em favor de Mariana Batista, mãe de dois filhos menores de oito e 14 anos, que sofre de cancro. A iniciativa cabe ao Grupo Motard “Soulfly”, que inclui um passeio motard, um jantar convívio e espectáculo musical. Todas as receitas vão reverter a favor dos filhos de Mariana Batista que, há quatro anos, viu falecer o marido e pai das crianças com a mesma doença.

Mariana encontra-se de baixa e está a iniciar uma nova fase dos tratamentos de radioterapia e quimioterapia. Torna-se, por isso, cada vez mais complicado assegurar os bens essenciais que nunca faltaram aos seus filhos.»


Texto in O MIRANTE online, 25-11-2010
Foto in Facebook de Mariana Batista


quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Dois menores (um deles de Salvaterra de Magos) tentam fuga de bicicleta pela auto-estrada

«A intenção dos dois rapazes, ambos de 13 anos, era chegar ao Porto de bicicleta pela A1. Para isso, fugiram de um lar, em Fátima, furtaram os dois veículos e entraram na auto-estrada. Mas foram interceptados passados 12 quilómetros, próximo da saída para Leiria, por uma patrulha do sub-destacamento de trânsito dos Pousos, da GNR de Leiria.




Ao serem abordados, na segunda-feira à noite, disseram que pretendiam seguir para casa de um deles, no Porto. O outro menor tem família em Salvaterra de Magos. Esta foi a terceira vez que os dois colegas, suspeitos de pequenos delitos, fugiram do Lar da Infância e Juventude da Fundação Arca da Aliança, uma instituição aberta que acolhe 25 rapazes que não têm apoio familiar.

"Estão aqui por imposição da Segurança Social, desestabilizam a própria instituição e nunca se integraram", disse ontem ao CM o presidente da fundação, padre Joaquim Ventura, adiantando que os dois menores pediram ao psicólogo para "irem dar uma volta", pelas 20h30, o que lhes foi recusado, tendo desaparecido pouco depois.

Já na rua, furtaram as duas bicicletas, junto a um café, passaram as portagens e entraram na A1, no sentido do Porto. Pouco depois de detectada a fuga, foram interceptados pela GNR. "Aconteceu tudo no espaço de uma hora", contou Joaquim Ventura.»


in CM online, 24-11-2010


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A história de Ismael Simões (de Marinhais), hoje depois do Jornal da Noite na SIC

Quando Ismael Simões foi chamado ao quartel da GNR pensou que era por conduzir a motorizada sem carta. Só durante o interrogatório percebeu que a cunhada o acusava de violação. Ficou preso preventivamente.




Ismael prontificou-se para fazer testes de ADN mas o tribunal não aceitou. O facto de ter um pé engessado que o impedia de fazer alguns quilómetros até ao local do crime e o álibi com testemunhas foram igualmente ignorados. Por fim, os juízes recusaram apreciar relatórios que davam a cunhada como mentirosa compulsiva e manipuladora.

Ismael Simões foi condenado a 5 anos e meio de prisão. Um ano e meio depois, num programa de televisão, a vítima reconheceu que tinha mentido. Verificou-se que ao longo do tempo tinha contado cinco versões diferentes da suposta violação. O Tribunal da Relação decidiu então libertar Ismael.

Nunca chegou a ser indemnizado por não ter dinheiro para pagar a advogados. Já está em liberdade mas diz que ainda se sente preso ao passado.







Oferta de Emprego - Gestor Comercial

Gestor Comercial - Ramo Alimentar (M/F) - Zona de Santarém
Sector: Comercial / Account

Empresa: Talenter
Regime: Full Time
Local: Santarém


A Talenter™ promove o talento dos seus colaboradores de acordo com a natureza específica de cada área, proporcionando diferenciadas oportunidades de emprego e soluções na gestão e valorização das Pessoas.

Estamos actualmente em processo de recrutamento de Gestor Comercial para empresa da área alimentar situada em Santarém (com área de actuação em Benavente / Coruche / Salvaterra de Magos / Cartaxo / Almeirim / Alpiarça / Chamusca / Santarém / Rio Maior / Golegã / Constância / Entroncamento / Abrantes / Vila Nova da Barquinha / Torres Novas / Alcanena / Ourém / Tomar / Ferreira do Zêzere / Sardoal / Mação).

Descrição da Função:
- Angariação de novos clientes e gestão de uma carteira de clientes;
- Dinamização da actividade comercial através de acções de prospecção de mercado;
- Venda directa junto de padarias, cafés, minimercados, restaurantes, entre outros.

Requisitos:
- Experiência profissional anterior comprovada em funções similares (factor eliminatório);
- Orientação para cumprimento de objectivos;
- Boa apresentação;
- Motivação para a função;
- Dinamismo e proactividade;
- Orientação para o cliente;
- Excelentes capacidades de comunicação e de relacionamento interpessoal;
- Carta de condução;
- Disponibilidade total e imediata.

Condições:
- Remuneração base + Remuneração variável atractiva (em função dos objectivos alcançados);
- Formação especializada com acompanhamento individual;
- Integração numa equipa jovem e dinâmica:
- Fortes perspectivas de carreira.


Junte-se a nós e desperte o seu talento!
Caso reúna os requisitos exigidos, envie-nos o seu Curriculum Vitae, com indicação do NIF, para o seguinte endereço electrónico diana.arana@talenter.com  mencionando no assunto da mensagem “Gestor Comercial – Ramo Alimentar – Zona de Santarém” ou contacte-nos através do 913 692 801.


Local de Trabalho: Santarém





António Filipe, deputado do PCP, visita Granho e Muge


António Filipe, deputado do PCP na Assembleia da República, desloca-se ao concelho de Salvaterra de Magos, Quinta - Feira, 25 de Novembro, tem encontros com as populações do Granho e de Muge, para se inteirar dos problemas relacionados com o acesso ao Serviço Nacional de Saúde:

18h30 - Granho – No Salão da Junta de Freguesia

21h00 - Muge – Na Casa do Povo





segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Plantar Portugal: Semana Nacional da Reflorestação



«Cerca de 60 municípios estão já associados à Semana Nacional da Reflorestação, uma iniciativa promovida por um movimento cívico que decorre entre os dias 23 e 28 (novembro) e promete plantar pelo país milhares de árvores, cidadania e sustentabilidade.

Segundo Hélio Lopes, da coordenação nacional do movimento sem fins lucrativos "Plantar Portugal", o objetivo é distribuir mais de 100 mil árvores por vários tipos de espaços, como áreas florestais (alguma atingidas por incêndios), baldios, zonas ribeirinhas, parques, jardins ou escolas.

De forma simbólica, a semana arranca no Dia da Floresta Mediterrânica com a plantação de uma árvore autóctone no centro geodésico de Portugal, no concelho de Vila do Rei, para se espalhar depois ao restante território continental e às ilhas.»


Texto Agência Lusa

sábado, 20 de novembro de 2010

Muge perdeu mais um jovem: Marco Pitorra, bombeiro, 30 anos de idade, morreu...

- Marco Pitorra -

As fotos agora aqui publicadas, foram-me gentilmente cedidas pelo próprio Marco Pitorra.

Meu colega no RVCC do 12º ano (Novas Oportunidades), disponibilizou-me uma 'pen' contendo várias fotos com as quais fiz o post 'Com a jornada "Limpar Portugal", a freguesia de Muge ficou mais limpa':





Grito d'alma do editor deste blogue:
Quando há cerca de 4/5 anos, tive aquilo que supostamente terá sido um descontrole da tensão arterial (para a minha médica de família) ou principio de um enfarte (para o médico hospitalar), foi este jovem dos Bombeiros Voluntários de Salvaterra de Magos, que me transportou ao Hospital.
Recordo-me que nessa noite, deitado na maca da ambulância, com fortes dores no peito e com dificuldade em respirar, a viatura dos bombeiros voou na EN 118, rumo a Benavente.
Quando esta noite me deram notícia da sua morte, não pude deixar de reviver este acontecimento da minha vida.
É com profunda dor, raiva e lágrimas que presto aqui a minha sentida homenagem a este jovem prematuramente desaparecido.
Paz à sua alma.
A. João

Nota:
O funeral realiza-se este sábado, pelas 10h00.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Escaroupim: Cruzeiros fluviais promovem cultura avieira




«É hoje assinado em Salvaterra de Magos um acordo para a realização de cruzeiros fluviais no Tejo, com o objectivo de promover a cultura avieira. Uma iniciativa apadrinhada pelo Turismo de Lisboa e Vale do Tejo.
A presença de Joaquim Rosa do Céu, Presidente da Entidade Regional de Turismo de Lisboa e Vale do Tejo, efectiva este apadradinhamento de um acordo entre a empresa turística SAL – Sistemas de Ar Livre, e a Ollem, proprietária da embarcação homónima. É nesta embarcação, um iate, que se realizarão os passeios fluviais na região ribatejana, nos quais será dado particular ênfase à valorização da cultura avieira. O acordo é assinado hoje, às 17h00 na aldeia avieira de Escaroupim, Salvaterra de Magos, junto à Casa Museu do Avieiro.»


Texto in http://www.turisver.com/, 04-11-2010
Imagem in Google


Câmara de Salvaterra de Magos vai gastar menos em iluminação de Natal

«Com a crise financeira instalada, o município de Salvaterra de Magos também aperta o cinto e revela que a intenção é gastar menos de cinco mil euros em iluminações de Natal. Em 2009 foram gastos mais de 15 mil euros em decoração natalícia. A presidente da autarquia, Ana Cristina Ribeiro (BE), disse a O MIRANTE que a câmara tem vindo a fazer cortes, nos últimos dois anos, em iluminação. Este ano pretende seguir a mesma política.




Em 2009 foi colocada iluminação de Natal no edifício da câmara e um pinheiro iluminado em cada freguesia e também nas localidades de Cocharro, Várzea Fresca e Escaroupim. “Aguardamos que as empresas nos dêem valores para avançarmos com a iluminação. Mas vamos colocar apenas uma mensagem de Boas Festas no edifício da autarquia, sem os contornos nas janelas e portas como colocávamos, e um pinheiro iluminado em cada uma das freguesias”, explica a autarca.»


Texto in O Mirante online, 04-11-2010
Imagem in Google

ASAE encerrou mercado de Marinhais

«A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) encerrou o mercado de Marinhais, concelho de Salvaterra de Magos, por falta de condições, após realizar uma vistoria ao espaço.


Segundo a presidente da Junta de Freguesia de Marinhais, Fátima Gregório (PS), a ASAE referiu que o pavimento do mercado, em mosaico picotado, já não está em condições, a câmara de frio está degradada, as estruturas das bancadas não são as adequadas, existem azulejos das paredes partidos e a cobertura em chapa de fibrocimento também não é a adequada. Os sanitários também não se encontravam em condições de serem utilizados.

“Duas horas depois da vistoria, a ASAE encerrou imediatamente o mercado. Nem deu tempo aos vendedores de retirarem os seus produtos”, disse a autarca. A operação da ASAE deu-se no dia 29 de Outubro.

O mercado de Marinhais era ocupado por dois vendedores permanentes e dispunha de um talho e de uma banca de peixe que funcionavam apenas ao fim-de-semana. Para Fátima Gregório esta era uma situação já previsível uma vez que a falta de condições do espaço já tinha sido motivo de reuniões entre a junta e a autarquia.

A presidente da Junta de Marinhais vai ponderar o que poderá ser feito para recuperar o espaço. “Será que vale a pena gastar dinheiro a fazer obras ou devemos aguardar um pouco mais e fazer uma coisa diferente? Temos que reunir e debater com a câmara porque a junta não tem dinheiro para efectuar uma obra de dimensão tão avultada”, esclarece Fátima Gregório.»


Texto in O Mirante online, 04-11-2010
Imagem in Google


quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Reunião Ordinária Pública da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos

Quarta-feira, 10 de Novembro, pelas 14h30



O Salão Nobre dos Paços do Município de Salvaterra de Magos acolherá na 4ª feira, dia 10 Novembro, pelas 14h30m, Reunião Ordinária Pública da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos.




quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Muge sem médicos

«Em Salvaterra de Magos, José Sócrates e o Partido Socialista, querem 'tratar-me da saúde'...

Preciso de medicamentos. Um deles, dizem-me, não devo descurar, trata-se do Coaprovel (estabilizador da tensão arterial). E de uma consulta de Otorrino, uma vez que de repente comecei a ouvir mal (pouco) e em eco.

Fui mesmo agora ao 'meu' Centro de Saúde para obter receita de medicamentos e uma credencial para marcar consulta para um especialista de Ouvidos.

Não há médicos. Não há consultas. Não há receitas para medicamentos. Não há credenciais.

O que faço? Perguntei à menina que atende numa Extensão do Centro de Saúde Salvaterra de Magos.

Simpaticamente respondeu: "em relação ao Otorrino, pode ir a Almeirim, na Clínica do Dr. Chambel há lá uma boa especialista particular (ou seja, tenho que pagar a consulta). Os medicamentos, das duas uma, ou espera pela próxima quinta-feira (possivelmente já haverá solução), ou vai à farmácia e assume o pagamento integral".

Voltei à carga: e os cerca de 200 euros que pago por mês para a Segurança Social?

Mais uma vez com um sorriso nos lábios, sou desarmado pela funcionária pública: "pois...sobre isso não lhe sei dizer nada".

Não sabe ela, mas sei eu:

Viva José Sócrates!

Viva o Partido Socialista!

Viva Portugal!»




sábado, 23 de outubro de 2010

Glória do Ribatejo: Arsénio Coutinho pediu ajuda à GNR após matar pai

«Eram 20h30 de quarta-feira quando Arsénio Coutinho, 37 anos, pegou no telemóvel para ligar para o 112. Tinha acabado de matar o pai à pancada e afirmava estar numa rua de Glória do Ribatejo, Salvaterra de Magos, a precisar de ajuda da GNR por temer justiça popular.

(Arsénio Coutinho, que matou o pai à pancada, foi conduzido pela GNR à cadeia do Montijo, onde aguarda julgamento em prisão preventiva)


Arsénio foi encontrado por militares do posto de Marinhais coberto de sangue e com sinais de estar alcoolizado. Fontes policiais disseram ao CM que o antigo topógrafo estava consciente da forma como tinha morto o pai, João Nunes Dias, de 57 anos. Por isso, queria que a GNR lhe garantisse segurança.

Levado para o posto da Guarda de Marinhais, Arsénio Coutinho tinha o corpo repleto de vestígios importantes para a investigação. No entanto, ao que o CM apurou, a PJ de Lisboa recusou-se a efectuar a detenção do parricida, argumentando que havia flagrante delito. Teve de ser o comandante do Destacamento da GNR de Coruche a passar mandado de detenção, fora de flagrante delito, para que Arsénio Coutinho ficasse preso. A PJ enviou uma brigada a Glória do Ribatejo apenas para recolher vestígios. Arsénio Coutinho está em prisão preventiva na cadeia do Montijo.

"TEVE PERCEPÇÃO DO QUE FEZ E TEVE MEDO"

João Baptista Oliveira preside à junta de freguesia de Glória do Ribatejo, concelho de Salvaterra de Magos. O autarca conviveu com Arsénio Coutinho desde tenra idade e "lamenta profundamente" o desfecho trágico que a relação do conhecido com os pais acabou por ter. "Há algum tempo que ele assumia atitudes estranhas, como rezar na rua em frente a santinhos e atirar motos contra as pessoas", recordou. Quanto ao medo que Arsénio Coutinho sentiu da reacção popular, João Oliveira considera-o "possível". "Ele teve percepção do que fez e teve medo", concluiu.»


in CM online, 23-10-2010


sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Glória do Ribatejo: Arsénio Coutinho, acusado de espancar o pai até à morte, ficou em prisão preventiva

«O homem detido quarta feira à noite, em Glória do Ribatejo, Salvaterra de Magos, por suspeita de ter espancado o pai até à morte vai aguardar julgamento em prisão preventiva, afirma fonte da GNR.

- José Nunes, irmão da vítima mortal -


O suspeito, de 37 anos, foi ouvido esta manhã pelo juiz de instrução criminal do tribunal de Benavente e recolheu ao estabelecimento prisional do Montijo.

Quarta-feira, pouco depois das 20h00, o homem terá espancado o pai, de 57 anos, até à morte, depois deste o ter tentado impedir de agredir a mãe.»


in CM online, 22-10-2010

João Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo: "Somos todos culpados nesta morte"

«Filho matou o pai a murro e pontapé. GNR conhecia a violência doméstica. Médico de família também.


- João Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo -


"Tanto que eu pedi ajuda às pessoas", balbuciava enquanto chorava Quitéria Coutinho, de 58 anos, à porta de casa, quarta-feira à noite, olhando para o corpo do marido, José Nunes Dias, de 57, que jazia na estrada empoeirada, em Glória do Ribatejo, Benavente.

Quitéria, com feridas na cara provocadas pelas agressões do filho, Arsénio Coutinho, 37 anos, assistiu à morte do marido. "Ela viu o filho a dar murros e pontapés na cara do pai desmaiado no chão", descreve José Nunes, de 65 anos, tio do agressor, vizinho e testemunha do crime.

Arsénio, com formação em desenho técnico, topógrafo profissional, gosto pela cultura e amante de informática, terá problemas psiquiátricos. "Ele deveria sofrer de problemas de esquizofrenia. Era uma pessoa revoltada. Existiam várias queixas na GNR por violência doméstica", explica o vizinho do casal Coutinho, João Oliveira, presidente da Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo.

Os pais de Arsénio já tinham apresentado tantas queixas à GNR quanto as que retiraram.

O presidente da Junta de Freguesia encontra culpados. "Somos todos culpados nesta morte. Os amigos e a família conheciam a situação, o médico da família foi alertado várias vezes pela mãe para o estado psicológico do filho, a GNR sabia dos espancamentos. Sabíamos que um dia podia acontecer uma tragédia. Aconteceu", diz, inconformado, o presidente.

Arsénio Coutinho vivia em casa dos pais. As agressões a João e Quitéria eram frequentes. "A maior parte das vezes era para eles lhe darem dinheiro", explica o tio José.

"Ele gostava de ir a um bom restaurante e beber uma boa garrafa de vinho", continua João Oliveira. Ultimamente, Arsénio gostava de se passear pela vila numa trotinete eléctrica.

Segundo os vizinhos, o aparelho de topografia a laser que o pai lhe comprara poucas vezes saía do estojo para o campo de trabalho.

"O feitio dele não ajudava. Causava mal-estar onde estivesse", explica João Oliveira.

Quarta-feira, ao fim do dia de trabalho como fresador numa empresa de Alverca, José Dias chegou a casa. "O filho fartou-se de o aborrecer. À porta de casa deu-lhe um encontrão com a trotinete. O meu irmão caiu e ficou desmaiado", explica o tio de Arsénio.

Segundo as testemunhas, a mãe acorreu em socorro do marido e foi agredida a soco pelo filho. Arsénio começou então a socar e a pontapear desenfreadamente o pai desmaiado.

"O meu irmão ficou todo desfigurado. Ele até saltou em cima da cara dele", conta o tio, que se deslocou para o local a cerca de 50 metros da sua casa.

Arsénio, ao ver os vizinhos aproximarem-se, saiu do local por uma zona de campo. Foi detido pela GNR a cerca de 500 metros da casa onde vivia com os pais.

"Ainda chamámos o INEM, mas ele estava já com a pulsação muito fraquinha", conta José Nunes.

Arsénio vai ser ouvido hoje de manhã no Tribunal de Vila Franca de Xira.»


in DN online, 22-10-2010


quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Glória do Ribatejo: Assassinou o pai à pancada

«Uma desavença entre pai e filho acabou ontem à noite com o segundo a assassinar o progenitor ao murro e pontapé, em Glória do Ribatejo, concelho de Salvaterra de Magos, Santarém.




O homicida confesso, de 37 anos, e com um passado já manchado por processos de violência doméstica, acabou por se descontrolar durante a discussão e matou o pai, de 57 anos, à pancada. Depois do crime, o homem telefonou às autoridades para se entregar.

Foi enviado ao local um carro-patrulha da GNR de Coruche, que efectuou de imediato a detenção do sujeito. O homem será hoje ouvido em tribunal. À hora de fecho desta edição, as autoridades estavam ainda no local do crime.»

in CM online, 21-10-2010

Glória do Ribatejo: Filho agrediu pai até à morte

«Um homem de 37 anos agrediu, ontem, quarta-feira, até à morte o seu pai, de 57, à porta de casa, em Glória do Ribatejo, Salvaterra de Magos.

As autoridades foram alertadas para o sucedido pelas 20.30 horas, depois de o homem ter telefonado para a polícia.

Segundo a GNR, que procedeu à detenção, o homem tem antecedentes por violência doméstica e será presente hoje, quinta-feira, a tribunal para primeiro interrogatório judicial.»


in JN online, 21-10-2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Empresa de Transportes Ribatejana assegura transportes públicos em todo o concelho de Salvaterra de Magos



Em colaboração com o Município de Salvaterra de Magos, foi acordado o novo projecto de carreiras de Transporte Público a servir o concelho (MAGOS BUS). Os horários vão servir fundamentalmente os alunos, nas deslocações Casa - Escola, Trabalhadores, nas deslocações Casa - Emprego, e restante população nas deslocações internas na rede municipal.


Mais informação e horários em:

domingo, 10 de outubro de 2010

António Henriques, natural de Salvaterra de Magos, sagrou-se campeão ibérico de BTT

«António Henriques, natural de Salvaterra de Magos, sagrou-se campeão ibérico de 24 horas BTT, na categoria solo masculina do troféu “PTopenXCR”, ao alcançar o 1º lugar na prova derradeira, que se realizou em Manteigas, no skiparque do Sameiro.


O “PTopenXCR” disputou-se em quatro desafios realizados em circuito fechado, durante 24 horas, com distâncias nunca superiores a 13 quilómetros. O campeão apurou-se mediante a soma de pontos em cada uma das provas.

O esforço de António Henriques, que representa a equipa da BarboRacing / Polisport, foi recompensado depois de muitas horas a pedalar ao frio, sob temperaturas baixíssimas, a rondar os 3ºc, e mais tarde sob temperaturas elevadíssimas, como em Proença a Nova e Castelo Branco, totalizando mais de 1.000 quilómetros em 84 horas de provas.

O jovem de Salvaterra de Magos tornou-se o primeiro português a sagrar-se campeão ibérico nesta prova.»


in O Ribatejo online, 09-10-2010

sábado, 9 de outubro de 2010

Foca encontrada morta na Vala de Salvaterra de Magos (notícia actualizada c/vídeo)


Um pescador da Vala de Salvaterra de Magos encontrou na água uma foca morta na noite de dia 7 de Outubro e arrastou o animal até ao cais. Na manhã desta sexta-feira, a presença da foca atraiu a atenção de muitos curiosos que nunca tinha visto aquela espécie junto ao Tejo, quanto mais dentro da vala.




Vigilantes da natureza da reserva do Estuário do Tejo, ao serviço do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade acorreram ao local após informação do serviço de Protecção da Natureza e Ambiente (SEPNA) do destacamento da GNR de Coruche.

“Não sabemos que se possa ter passado já que nunca ocorreu uma situação semelhante com uma animal desta espécie. Provavelmente por alguma situação errante e de desorientação subiu o Tejo e morreu de causas ainda desconhecidas”, comentou o vigilante a O MIRANTE. Recolhidos dados do animal, apurou-se que tem 2,20 metros de comprimento e um peso estimado de 200 quilos.

O cadáver do animal foi removido do cais com recurso a uma retroescavadora e foi transportado para a Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa, onde será efectuada a necrópcia para apurar a causa da morte.

Um pescador da Vala de Salvaterra de Magos afirmou-se espantado com a situação, que nunca tinha vivido. “Ficámos admirados de ver uma foca aqui. Quanto muitos vemos lontras e outros animais, focas é que nunca”, garante.

Outro morador de Salvaterra de Magos garantiu a O MIRANTE apenas golfinhos tinham por hábito subir o Tejo mas essa situação remonta aos anos 40 do século XX.


in O Mirante online, 08-10-2010

video

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Muge: Morreu o Luís Gato


- Luís Caixa (Gato), 36 anos, faleceu ontem vítima de cancro -



César Diogo, presidente da Junta de Freguesia de Muge, diz que esta música era a preferida do Luís:



Foto e vídeo in Facebook de César Diogo


Nota:
O funeral do Luís realiza-se amanhã, sexta-feira, pelas 10h00, da igreja de Muge para o cemitério local.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

"Vou à farinha a Muge"



Consta que em tempos houve um cavalheiro em Benfica do Ribatejo que gostava das cachopas de Muge, terra vizinha a cerca de 7km.
Era um homem namoradeiro, mas discreto.
Quando alguém maliciosamente o questionava sobre a razão das suas frequentes idas a Muge, ele prontamente respondia: "Vou à farinha a Muge".
Claro está que em Muge existia um ou vários moleiros que forneciam farinha, mas...a farinha deste ilustre Don Juan era outra.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Muge: Zona Industrial mal protegida em caso de incêndio



«A água que sai das bocas de incêndio localizadas na Zona Industrial de Muge, no concelho de Salvaterra de Magos, não tem pressão suficiente para assegurar um abastecimento e combate eficazes por parte dos bombeiros se um sinistro se declarar na área. A título de exemplo, no final do passado mês de Junho deflagrou um pequeno foco de incêndio no Granho e os bombeiros necessitaram de abastecer as viaturas de combate nas referidas bocas de incêndio da Zona Industrial de Muge, tendo sentido grandes dificuldades em fazê-lo. O atraso no tempo de resposta e em consequência o potencial agravamento das situações verificadas são assim as maiores preocupações. A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, em conjunto com o Gabinete Municipal de Protecção Civil, vai tentar encontrar uma solução para este problema.»



terça-feira, 21 de setembro de 2010

Autocarro com destino a Salvaterra de Magos incendiou-se perto de Ponte de Lima

«Foram momentos de pânico para os mais de 40 passageiros que regressavam de autocarro de Espanha em direcção a Salvaterra de Magos.



O veículo incendiou-se ontem, pelas 17h30, na A3, sentido Norte-Sul, perto de Ponte de Lima, e acabou por ser completamente consumido pelas chamas. Ao que o CM apurou, o fogo terá começado com o pesado ainda em movimento, sendo o motorista alertado por um outro condutor que ultrapassava o autocarro.

O veículo foi imediatamente evacuado, mas não foi possível evitar que grande parte dos bens dos excursionistas fosse consumida pelo fogo, que, segundo testemunhas, terá alastrado pelo autocarro de forma muito rápida. No local, os Bombeiros de Ponte de Lima ainda socorreram um homem de 54 anos com uma crise de ansiedade. O trânsito da A3, no sentido Norte-Sul, foi cortado durante cerca de uma hora e depois reaberto de forma condicionada.»

in CM online, 20-9-2010

domingo, 12 de setembro de 2010

Foros de Salvaterra: Ficou em prisão preventiva homem que disparou um tiro sobre o irmão

«O homem de 36 anos que na sexta-feira à tarde disparou um tiro de caçadeira sobre o irmão, de 28 anos, em Salvaterra de Magos, foi presente ontem a tribunal e ficou em prisão preventiva. A vítima ficou em estado grave mas não corre risco de vida. Quanto ao atirador, entregou-se no posto da GNR e confessou o crime.»
in CM online, 12-9-2010

sábado, 11 de setembro de 2010

Foros de Salvaterra: Atinge irmão a tiro



«Uma desavença entre dois irmãos provocou um ferido grave, ao final da tarde de ontem, em Foros de Salvaterra, Salvaterra de Magos. Segundo a GNR, um homem de 36 anos alvejou o irmão, de 28, a tiro de caçadeira. A vítima foi transportada para o Hospital de Santarém com ferimentos graves. O suspeito entregou-se no posto da GNR. Por ordem do Tribunal de Vila Franca de Xira, o autor da tentativa de homicídio foi entregue à PJ.»
Texto in CM online, 11-9-2010

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Marinhais: Morador António Nunes discorda da versão da presidente da Junta de Freguesia

- Presidente da Junta de Freguesia de Marinhais -



«Concordo quase a 100% com aquilo que disse na entrevista. Em relação ao saneamento discordo. Há uma urbanização em Marinhais, toda ela construída de raiz há cerca de 5 anos, cujo saneamento básico, por meras questões burocráticas ainda não foi ligado ao emissor que levará os efluentes até à ETAR. Como sabe quase todas as semanas o vosso carro vais esgotar fossas a esta Urbanização que se chama Vila Verde. Porque é que a Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, a Junta de Freguesia de Marinhais e a empresa Águas do Ribatejo não se reúnem para resolver esse impasse? Certamente que o que se passa nesta urbanização passar-se-á noutras que desconheço. Portanto quando afirma que há falta de saneamento básico, por um lado é verdade mas por outro já não é totalmente verdade porque existe mas não está concluído. Mesmo assim concordo quando diz que ainda é bom morar em Marinhais, mas muito melhor será quando outras coisas forem feitas no sentido de dar outro aspecto à vila.»

Morador António Nunes in O Mirante online, 09-9-2010

Salvaterra de Magos: Regimagos abre clínica de odontopediatria a pensar nos jovens



O Grupo RegiMagos inaugurou a 31 Agosto um espaço de Odontopediatria. Fica situado na rua Salgueiro Maia, largo C e D, em Salvaterra de Magos. O horário de funcionamento é das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 19h00, de segunda a sábado. O grupo RegiMagos tem clínicas em Marinhais, Póvoa de Santa Iria, Salvaterra de Magos e Lisboa. Tem também a funcionar um SPA em Salvaterra de Magos.

Para comodidade de toda a família a clínica “pequenos grandes doutores” está desenhada e decorada de modo a criar um ambiente moderno, agradável, seguro, confortável e descontraído. Assim para os pequenos pacientes ir ao médico é mais uma diversão que algo a evitar. “Na sala de espera até têm uma wii, para os mais novos se divertirem enquanto esperam. A decoração está feita a pensar na idade dos clientes. O que se mantém inalterável é o profissionalismo, a competência e a eficácia, bem como os preços acessíveis”.

A nova clínica dentária foi feita, como o nome indica, a pensar nos jovens. Trata-se de uma clínica de Medicina Dentária Pediátrica (Odontopediatria) e está apetrechada a pensar nos potenciais clientes.

Custódio Silva diz que se tratou da concretização de um desejo. “Já tinha em mente fazer algo deste género só que gostava de o fazer num espaço único, sem misturar outras especialidades. Assim que surgiu a oportunidade avancei”, explica.

O Grupo RegiMagos procura ter também uma vertente social. “Estamos a pensar fazer uma vez por mês atendimento gratuito aos mais carenciados pois temos o dever moral de sermos solidários”, explica Custódio Silva. O próprio investimento é encarado como um acto de importância social. “Não pensamos só em nós. Ajudamos a fazer crescer o país através da criação de postos de trabalho e do pagamento de impostos. O grupo RegiMagos tem as suas contas em dia”, acrescenta.

Os investimentos não se ficam pela agora inaugurada clínica de odontopediatria - uma das poucas do país. Já foi adquirido um espaço para fisioterapia e imagiologia, serviços que fazem falta no concelho de Salvaterra de Magos. “Enquanto as entidades bancárias acreditarem nos nossos projectos e nas pessoas de bem que fazem parte deste grupo iremos sempre fazendo investimentos para deixar uma marca na história do presente, passado e futuro. A todos os que acreditam na RegiMagos bem hajam”, agradece Custódio Silva.


Fonte: O Mirante online, 09-9-2010

domingo, 5 de setembro de 2010

Salvaterra de Magos acolhe de 7 a 9 de Setembro a Exposição Itinerante "Viva a República"


Um século depois do 5 de Outubro é tempo de reflectir sobre a herança cívica, democrática e cultural deixada pelos pioneiros republicanos e depois cimentada por décadas de luta e resistência, até ao seu pleno florescimento e maturação.

Paralelamente à exposição “Letras e Cores Ideias e Autores da República” patente na Biblioteca Municipal, e posteriormente nos pólos de Glória e Marinhais, a Câmara Municipal em parceria com a Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República irá ser das primeiras câmaras a promover uma exposição que pretende reproduzir os acontecimentos fundamentais do período da I República e do Republicanismo e relembrar os seus ideais cívicos, e as suas principais realizações.

A exposição "Viva a República" realizar-se-á nos dias 7, 8 e 9 de Setembro, entre as 09h30 e as 22h00, na Praça da República (largo da Câmara Municipal) em Salvaterra de Magos e compreenderá uma área expositiva de 30m2, um auditório, e uma área de desenvolvimento de actividades.

Esta exposição é dedicada ao público em geral e à população jovem em particular, integrando uma componente lúdica, mas também pedagógica, recorrendo a meios tecnológicos representativos das transformações e evoluções do último século.


terça-feira, 31 de agosto de 2010

Reunião Ordinária Pública da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos

- Ana Cristina Ribeiro, presidente da C. M. de Salvaterra de Magos -




O Salão Nobre dos Paços do Município de Salvaterra de Magos acolherá na 4ª feira, dia 01 Setembro, pelas 14h30m, Reunião Ordinária Pública da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos.
Foto in Google

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Casa Cadaval (Muge) incluída na Trienal do Vale do Tejo - Uma experiência localizada entre a arte contemporânea e a produção vitivinícola do Tejo


Trienal do Vale do Tejo 2010, promovida pela 'nada na manga – associação' tem como ponto de partida a questão do gosto, e projecta-se como um estímulo a uma experiência localizada entre a arte contemporânea e a produção vitivinícola do Tejo, em Portugal. A trienal está prevista para decorrer entre 18 de Setembro e 10 de Outubro de 2010.

A Trienal do Vale do Tejo vai criar um circuito cultural alternativo, através da instalação de peças de autores contemporâneos em vinhas e adegas da região Ribatejana, a criação de núcleos de exposição temporários, workshops e seminários em articulação com banquetes vínicos, provas e performances gastronómicas a cargo de chefs convidados.

Num espaço, o novo regime estético provocou a transformação da distribuição do sensível, anteriormente estabelecida pelo regime representativo, de classificação moderna. Neste contexto é apresentada uma nova concepção das classificações e normas, que são questionadas pela arte contemporânea: o que é a beleza ou o gosto? Qual é a nossa identidade e cultura?
A selecção dos artistas, produtores artísticos, criativos ou autores tem como princípio esta transformação na categorização de conceitos.

Num outro espaço, a questão do gosto também pode ser compreendida como a sensação percebida pela boca e na garganta ao ter contacto com uma substancia líquida. É uma experiência breve, a qual transmite o carácter elementar de prazer.
Ao invés de concentrar o evento em um único lugar, a trienal adoptou pela distribuição dos pontos de interesse por quintas e adegas ao longo do rio Tejo. Casas agrícolas como a Casa Cadaval (Muge, Salvaterra de Magos), Quinta da Alorna, Casal Branco ou Falua (Almeirim), Vale d’Algares ou DFJ Vinhos (Vila Chã de Ourique, Cartaxo), e Casa-Museu dos Patudos (Alpiarça).

Os artistas convidados reflectem e são laboratórios activos e críticos sobre as novas formas de interpretação das práticas e experiências do quotidiano, por exemplo, Adolfo Schlosser, Miguel Palma, Nicolas Boulard, Sofia Leitão ou Per Barclay, entre outros.

A Trienal do Vale do Tejo traz para o mesmo patamar artistas de reputação internacional e jovens emergentes na paisagem artística portuguesa e internacional, chefs e distintas adegas e quintas situadas na Lezíria do Tejo. De forma a promover o turismo cultural local, instigar a participação individual e a experiência, enquanto adiciona valor à economia local com um evento de intenção internacional; aumenta a satisfação e a proximidade entre os distintos públicos; reforça a proximidade entre os agentes do sector artístico, vitivinícola, gastronómico, cultural com outros operadores regionais; e promove a arte contemporânea ao desenvolver um intercâmbio artístico internacional.

Este evento é sobre o gosto, primordialmente. Comunica e toma forma ao criar um diálogo entre estética e paladar, entre as questões subjectivas e objectivas, entre o intangível e o físico com o intuito de intensificar os sentidos.

Contactos: 'nada na manga - associação', Rua Capitão Salgueiro Maia 13, 2120‐080 Salvaterra de Magos, Portugal.
Texto e imagem da Trienal in http://noticiasdoribatejo.blogs.sapo.pt/
Logótipo da Casa Cadaval in Google

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Marinhais: Tasquinhas de Verão 2010




As Tasquinhas de Verão estão de volta a Marinhais, nos dias 27, 28 e 29 de Agosto. Além das tradicionais tasquinhas que dão nome ao certame e onde os visitantes podem degustar de várias iguarias gastronómicas e vinho da região, também vai haver muita música.

O certame arranca na sexta-feira pelas 21h00 com a actuação do grupo musical FS. Uma hora mais tarde está prevista a apresentação da Associação dos Amigos do Carnaval 2010 que vão apresentar o espectáculo intitulado “Michael Jackson”. O baile com os FS continua pela noite fora.

O desfile de ranchos, marcado para as 21h00 de sábado, 28, sai da Igreja Nova até ao Largo das Festas, seguindo-se meia hora mais tarde o 30º Festival Nacional de Folclore. A noite termina com um baile animado pelos “Relíquia Antiga”. Jorge Paulo e Susana (21h00) e Marisa Duvall (22h00) são os artistas musicais que vão abrilhantar a última noite das tasquinhas.
Fonte: Mirante online

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Mariza num grande concerto em Salvaterra de Magos

A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos produz a 4 de Setembro, na Praça de Touros, um grande concerto.




A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos tem preparada uma grande surpresa para si.

Numa grande produção que vai marcar Salvaterra de Magos, a Praça de Touros acolhe a 4 de Setembro a grande referência do fado - Mariza.

O espectáculo com inicio marcado para as 22h00, para uma plateia próxima dos 4.000 lugares, será um marco na oferta cultural do nosso concelho.

Após ter sido das poucas artistas nacionais a pisar o palco da edição de 2010 do Rock'in Rio Lisboa, Mariza dará na Praça de Touros de Salvaterra de Magos um dos seus poucos concertos em solo nacional, nesta sua tourné de 2010.

Num projecto em que envolveu vários parceiros, a Câmara Municipal de Salvaterra de Magos proporciona este grande espectáculo cultural a um custo que procura ser acessivel a todos os municipes.

Salvaterra de Magos e Mariza aguardam por si, num dos maiores espectáculos do ano.


Bilhetes:

Bancadas: 11 euros
Plateia (Arena): 15 euros
Portadores de Cartão Magos Sénior: 5 euros (venda exclusiva na Biblioteca Municipal de Salvaterra de Magos)


Bilhetes já à venda na Ticketline
e nas lojas Worten, FNAC, El Corte Inglés, Agências Abreu, C.C. Dolce Vita e pontos MegaRede.


e brevemente na:
Câmara Municipal de Salvaterra de Magos (Posto de Turismo)
Biblioteca Municipal de Salvaterra de Magos
Delegação da Câmara Municipal em Marinhais




Texto in http://www.cm-salvaterrademagos.pt/

Foto in Google

Vídeo in YouTube

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Matou o filho com um tiro por causa da droga


- Luís Costa foi morto com um tiro pelo pai Luís Espalha, no quintal da casa, em Sobralinho -


«Um homem, de 42 anos, foi morto a tiro pelo próprio pai, de 72, no Sobralinho, Vila Franca de Xira, na sequência de uma discussão associada ao consumo de droga por parte da vítima. O pai estaria alcoolizado e cansado de ver o filho só com "más companhias".

Foi o próprio irmão da vítima, Carlos Costa, quem adiantou ao JN as discussões constantes que há muito abalavam a família, normalmente associadas à vida de Luís Costa. "O meu irmão chegava a consumir droga aqui em casa e o meu pai não suportava essa situação. Havia discussões constantes", contou Carlos Costa.

No entanto, o irmão da vítima sempre pensou que o pai, Luís Espalha, se virasse contra a mãe e nunca contra o filho: "A minha mãe levava muita pancada do meu pai, mais ainda quando ele se zangava com o Luís. Era a minha mãe quem pagava sempre".


Carlos Costa está revoltado com a acção do pai, mas custava-lhe, também, ver o irmão consumir droga na casa paterna e levar para casa “gente da noite, más companhias”. Luís Espalha, reformado, não suportava a vida do filho, que vivia em sua casa, uma vivenda no Sobralinho, há cerca de três anos, na sequência de um divórcio.

Luís Costa era motorista de um autocarro numa empresa de transportes colectivos, mas à noite saía muito e com companhias que não agradavam ao pai, muito menos quando trazia os amigos para casa. “Eu até o percebia, já está a ver, uma pessoa com idade e a ver aquelas coisas. Eu vivo em Marinhais, mas cheguei a assistir aqui em casa a discussões entre o meu pai e o meu irmão. Eu perguntava-lhe porque é que ele respondia ao velho, mas ele só me dizia que o irritava”, recorda Carlos Costa.

O comportamento de Luís Espalha agravava-se a seguir ao almoço, com o álcool. De manhã, dizem familiares, ainda se conseguia falar com ele, mas à tarde era impossível, Luís Espalha transfigurava-se, contrariava toda a gente e tornava-se agressivo, ameaçando de morte quem apanhava à frente.

O carácter de Luís Espalha era há muito tido por violento, mas agravou-se com a morte, primeiro, de uma filha, depois, de um outro filho, ambos de morte por acidente. O falecimento da filha há seis anos deixou-o transtornado, mas a morte do filho, um condutor de camiões TIR que perdeu a vida nas estradas espanholas, deitou-o completamente abaixo.

O álcool por companhia

O álcool tornou-se a companhia habitual do idoso e a relação com a mulher agudizou-se de tal forma que o casal passou a dormir em quartos separados. “A minha mãe era uma moura de trabalho, só servia para trabalhar”. E a vida do filho Luís ligada à droga e à noite apenas agravou o estado de espírito de Luís Espalha. Os vizinhos assistiam com frequência às confusões geradas pelo idoso, mas “ninguém ligava muito”, adiantou Angelina Lopes, que reside perto da casa do idoso. “Ouvíamos as ameaças mas achávamos que não passavam disso”.

Na sexta-feira, cerca das 20 horas, no entanto, Angelina ouviu o idoso a gritar "roubam-me tudo" e pouco depois ouviu aquilo que lhe pareceu ser o disparo de uma arma. Manteve o olhar na casa de Luís Espalha e viu um amigo do filho a gritar e a pedir socorro e pouco depois o idoso saltava o muro da casa, subindo a rua.


Já tinha havido mais uma discussão, mas desta vez a situação parecia ser mais grave. “O meu marido até me disse para eu chamar o 112”. No meio da confusão, o corpo de Luís Costa jazia junto ao portão da casa e aparentemente preparava-se para sair quando o pai o atingiu com um único tiro no abdómen.

Luís Espalha refugiou-se no quarto com a caçadeira, uma arma com um cano, que lhe ficara de herança, onde a PSP o veio a deter sem resistência, apreendendo a arma, mas antes ainda telefonou a um lavrador para quem fazia uns biscates. “Segunda-feira não vou trabalhar, matei o meu filho”, disse no telefonema, pouco antes da chegada da PSP.

A investigação do caso foi entregue à Polícia Judiciária, que o deve apresentar hoje no Tribunal de Vila Franca de Xira. Carlos Costa gostava de confrontar o pai com aquilo que aconteceu. “Queria perguntar-lhe por que é que ele matou o meu irmão, o próprio filho. Por que é que ele fez aquilo?”.»




in JN online, 23-8-2010

Forcados de Salvaterra na corrida da Póvoa de Santa Iria


«Os Forcados de Salvaterra é com orgulho e satisfação que irão actuar nas festas da cidade da Póvoa de Santa Iria dia 4 Setembro às 17h. A praça será montada junto à estação de comboios (terreno vasto com bom estacionamento e amplo), perto da zona das festas.

Com um cartel de enorme qualidade é também permitido a novos cavaleiros mostrarem o que valem. Será uma actuação de jovens e veteranos com provas dadas no mundo tauromático. As pegas ficam a cabo de 3 valentes grupos de Forcados que pretendem sair triunfadores deste valente curro de touros PALHA, conceituada ganadaria portuguesa.

A temporada tem corrido muito bem aos forcados de Salvaterra de Magos e esperamos a presença de todos para comprovarem a excelente temporada que o grupo tem vindo a realizar.
As Corridas de Touros voltam, assim, à cidade da Póvoa de Santa Iria que esperemos seja o regresso para não mais deixar de haver.»

(clicar para ampliar)



in http://gfasm.blogspot.com/

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Diana de Cadaval: "Gosto que me chamem princesa"

É casada com um príncipe francês, vive num palácio e é visita assídua das famílias reais europeias. Vai às compras a Paris e, em Évora, dá asas ao seu gosto pela cultura. Eis Diana de Cadaval, em entrevista





É princesa e vive num conto de fadas. A sua vida é um sonho. Viaja por todo o mundo, em lazer ou em ações humanitárias, e é visita frequente das mais importantes famílias reais europeias. Casada há dois anos com Charles-Philippe d'Orléans, Diana Mariana Vitória Alves Pereira de Melo Cadaval, 31 anos, ganhou com o casamento o título de princesa de Paris e duquesa d'Anjou. Perde-se por sapatos Louboutin, joias e vestidos e vai às compras a Paris. Mas para esta entrevista surpreende-nos com uma simples túnica branca e pés descalços. Não foi por acaso. Diana de Cadaval quis passar a imagem de uma mulher como as outras: "Também visto roupa casual e vou ao hipermercado." Descontraída, recebeu-nos nos seus salões como quem recebe uma amiga. Colocou os pés sobre os sofás, reclinou-se e sorriu muito. Numa postura oposta ao estilo formal, rígido, com o rigor protocolar que habitualmente usa. Foi ela a abrir-nos a porta, na companhia dos seus três cães, que permaneceram deitados a seu lado até ao final da entrevista. Diana de Cadaval não se esquivou à polémica existente entre si e a sua meia-irmã, com quem não fala, por causa do conflito pelo uso do título de duquesa. Uma controvérsia que alimentou as conversas de salões e que até levou Duarte de Bragança, pretendente ao trono português, a extinguir o Conselho da Nobreza, uma instituição que zelava e validava os títulos que se mantêm em Portugal. Esta é uma mulher do topo do jet set português.

Acabou de publicar o seu primeiro livro, "Eu, Maria Pia". Interessou-lhe a vida desta rainha?
É o meu primeiro romance histórico, muito simples. Quis explorar o lado íntimo da rainha, as suas desilusões, tristezas, alegrias, a sua relação com o marido e com os filhos. Escrevi-o na primeira pessoa, pois poderia tornar-se mais intimista para o leitor.

A sugestão foi sua?

A minha editora, a Esfera dos Livros, propôs-me este projeto. Sempre adorei literatura, mas nunca pensei publicar. De entre as muitas rainhas, escolhi Maria Pia. Ainda pensei em Dona Amélia, filha dos condes de Paris. Mas por haver ligações entre a família do meu marido e Dona Amélia, pensei que não era a escolha adequada. Maria Pia tinha uma personalidade muito forte, amada por muitos e odiada por outros. Tinha todos os elementos para uma boa história: tragédia, drama, amor, aventura. Era uma mulher muito inovadora e muito piedosa. Adorava moda e ia às compras a Paris, o que indignava o reino.

Dedicou o livro a seu pai. Lembra-se do primeiro que ele lhe ofereceu?
Era muito criança, lembro-me de me ter oferecido um sobre Dom Nuno Álvares Pereira. O pai era uma pessoa de muita cultura. Adorava literatura e política. Foi o primeiro duque de Cadaval a regressar a Portugal. Porque nós, os Cadavais, partimos com D. Miguel e nunca mais regressámos ao país. Fizemos a nossa vida lá fora, casando com estrangeiros.


Ele contava-lhe as histórias da família?

Contava, mas também histórias da Europa e das famílias reais europeias.

Explicou-lhe as razões pelas quais a família Cadaval saiu de Portugal?

Contou. A família da mãe dele, Diana de Gramon, era francesa, o pai tinha uma cultura muito francesa. Falávamos francês em casa.

Com o seu marido fala em francês?
Sim. Ele é neto dos condes de Paris. Foi educado na cultura francesa, mas já vai falando português. O facto de ter vivido uns anos em Espanha fez com que o português se apresentasse mais fácil. Adora Portugal, ficou encantado com as pessoas, com a cultura. Os seus avós viveram cá na altura em que residiam no Estoril, Cascais e Sintra famílias nobres, reis e rainhas de vários países, como os de Espanha, Bulgária, Itália. O Charles-Philippe tem memórias dessa época, vinha para o verão.

Nessa altura não chegou a cruzar-se com ele. Só se conheceram na idade adulta, no tal baile da gala da Ordem de Malta, em Lisboa?
Conhecemo-nos nesse jantar.

Foi amor à primeira vista?

Não. Eu vivia em Londres, ele vivia em França mas trabalhava muito com países africanos e viajava imenso para essas zonas. O Charles-Philippe tem formação militar, esteve no exército francês 15 anos. Mantivemo-nos em contacto. Depois fomo-nos encontrando em Londres e em Paris. Foi assim que nos fomos descobrindo.

Foi educada para ser duquesa?

Fui educada como qualquer outra criança do meu meio social. Mas como o pai sabia que seria a herdeira do título, preparou-me para ter sensibilidade para a nossa História, para o que representávamos, para o conhecimento e valorização do nosso património. Foi-me preparando para a função e para os deveres que mais tarde teria de assumir.

Que deveres, que funções são essas?
Manter todo o património que herdámos, sobretudo o palácio Cadaval - o ninho da família há mais de 600 anos -, preservá-lo e divulgá-lo. A igreja esteve fechada 120 anos ao público. Não fazia sentido. É linda. C'est un petit bijou. Há 100 anos era impossível a uma família como a nossa abrir os seus espaços. Hoje, quem quiser pode entrar no palácio, visitar os salões, a igreja. No século XXI não temos outras opções. É uma casa com muitas despesas. Quando acabamos um restauro numa ponta é necessário iniciá-lo noutra. A nossa geração precisa de encontrar maneiras rentáveis de preservar o seu património. Até abrimos um restaurante no jardim.

Teve uma infância com muitas regras?

Foi muito formal, mas também muito preenchida e feliz. As outras crianças quando saíam da escola iam brincar, eu acompanhava os pais em atos oficiais, comemorações ligadas a D. Nuno, atividades em Évora. Ensinaram-me desde pequena a saber comportar-me em público, a conhecer o protocolo.

Quem a ensinava?

A mãe e o pai.

Era uma menina obediente, bem comportada. Nem quando chegou à adolescência quebrou a louça?

Não. (risos) Embora tivesse esse lado de maior formalismo, tinha também uns pais muito liberais. Tive uma grande liberdade. Sempre pude fazer o que queria. Nunca tive necessidade de revolta. O pai era uma pessoa muito aberta de espírito, muito excêntrica e adorava a juventude.

Trazia os amigos para casa?

Sim, e o pai, em vez de se afastar, convivia com eles. Apesar de ter sido um pai tardio, tinha uma cabeça muito fresca e jovem.

Casou com um príncipe francês. No seu casamento, em Évora, estiveram representantes de várias famílias reais. Lembra-se quem foram as mais importantes?

Veio o irmão do rei de Marrocos, o atual conde de Paris, a infanta Pilar, irmã do rei de Espanha, com os seus filhos, a família real búlgara. Foi Dom Duarte quem me levou ao altar em substituição de meu pai, pois é ele o meu padrinho de batismo. Também esteve a irmã da condessa de Paris, a princesa Teresa d'Orleans de Bragança, entre muitos outros.

Se a monarquia fosse restaurada em França, o seu marido teria pretensões ao trono?

Está na lista. Não me pergunte em que lugar, mas está.

Que idade tinha quando os seus pais decidiram voltar para Portugal?

Tinha nove anos. Os pais inscreveram-me na Escola Americana. Sempre vivemos entre Paris, Nova Iorque e a Suíça. Viemos para o Estoril. Como o pai era muito excêntrico e moderno decidiu construir uma casa de estilo contemporâneo, avant garde. Escolheu um arquiteto americano. A decoração foi feita por Jacques Granje, que decorou as casas do Yves Saint Laurent e que tem uma casa na Comporta.

Vive nesta casa enorme onde nos encontramos?

Não. Esta é a casa da mãe. Como o terreno é muito grande - tem três hectares - nós ocupamos outra casa. De resto, vivemos grande parte do tempo em Évora. Sou responsável, com a mãe, pelo Festival de Música Clássica e pela parte cultural do palácio. Recuperámos apenas uma das alas para viver.

O festival que se realiza nos jardins do seu palácio existe há quantos anos?

Há 16. Quando a mãe começou com o projeto de música foi um acontecimento importante para a cidade. Havia pouca atividade cultural. A mãe achou fundamental, tanto para o palácio, onde se tinham feito grandes recuperações, como para a cidade, existir uma atividade cultural. O nosso diretor artístico é o Alan Weber. Viaja pelo mundo e descobre vozes raras e traz a Évora vozes de todo o mundo.

Quando é que começou a ajudar a sua mãe na organização?

Há seis ou sete anos. Estive fora durante muitos anos, fiz a universidade em Paris, onde me formei em Relações Internacionais, vivi e trabalhei em Londres, na leiloeira Christie's. Era o braço-direito do presidente, no Reino Unido.

O que fazia?

Trabalhando com o chairman, lidava com os clientes mais importantes. Organizava eventos para apresentar as obras. Tinha a responsabilidade de supervisionar as transações. Apresentava e explicava um pouco aquilo que estava à venda. No início fiz um estágio de seis meses no departamento de avaliações, o que foi muito interessante.

Faz entrevistas para a "Caras". Como se vê nesse papel?

Vieram ter comigo e propuseram-me a ideia. Adoro conversar, conhecer pessoas novas, de diferentes meios sociais e viajar. Para aceitar o desafio coloquei como exigência entrevistar só quem eu quero, como eu quero e quando eu quero. Foi aceite.

Além de apoiar a sua mãe e das entrevistas, tem algum emprego?

Vou fazendo diversas coisas. Escrevo. Trato da parte cultural do palácio. Participo na organização dos eventos que lá se realizam e também colaboro no escritório em Lisboa, que gere o património da Casa Cadaval. Temos muita cortiça e gado. Eu e a minha irmã Alexandra temos a obrigação de preservar - e se possível ampliar - aquilo que herdámos. Somos apenas mais uma geração Cadaval.

A sua mãe foi modelo e ficou amiga de várias figuras da moda internacional...

A mãe sempre esteve ligada ao mundo da moda. Fez diversas produções para a "Vogue" americana e outras grandes publicações da altura. Seria hoje o equivalente a uma grande manequim da alta-costura. As revistas escolhiam as senhoras bonitas da alta sociedade, e escolheram a mãe diversas vezes.

Para que casas?
Para a Givenchy, Balenciaga, Chanel, Yves Saint Laurent. Hoje o Hubert de Givenchy ainda é um dos seus grandes amigos. Ela conviveu imenso com o Valentino e com o Laurent.

Também entrou nesse universo?
A mãe recebia-os muito em casa, ia com frequência a eventos de moda e por vezes levava-nos. Teve lojas de moda em Nova Iorque. Foi a mãe que levou para o mercado americano o Giorgio Armani. Ninguém conhecia aquele pequeno costureiro italiano. A mãe achou que havia ali algo de novo, de inovador. Também foi a mãe que trouxe para Portugal o Yves Saint Laurent e o Valentino.

Escolheu Carolina Herrera para fazer o seu vestido de noiva.

A Carolina e o seu marido, Renaldo Herrera, são grandes amigos da mãe. Foi a minha primeira escolha. Fui a Nova Iorque três vezes para a prova do vestido. A sua equipa foi fantástica. A Carolina só não veio ao casamento porque a filha se casava no mesmo dia. O manto era lindíssimo, tinha bordado as armas de Cadaval. A ideia era eu entrar na catedral como duquesa, tirar o manto, ficar com a flor de liz que tinha no vestido, e sair como princesa d'Orleans.

Pelo que diz, e pelo que se lê de si, a sua vida é um autêntico conto de fadas. Casou com um príncipe, foi pedida em casamento no deserto. Mais romântico não podia ser.

É verdade. O pedido de casamento foi uma viagem surpresa que o Charles-Philippe organizou para os meus anos. Fomos para o Egito. Pediu-me em casamento ao pôr-do-sol, em pleno deserto. Foi super-romântico.

Sente-se uma privilegiada?
Sou uma privilegiada pela vida que tenho, pelas coisas que faço, pela liberdade de poder escolher aquilo que quero fazer. Isso é um grande luxo.

Foi com o casamento que passou a dedicar-se ao trabalho humanitário?

Desde pequenina, e isso também o devo ao sistema americano onde estudei, fui ensinada nesse sentido. Fui presidente do centro de serviço comunitário na Escola Americana. Com o Charles-Philippe descobri projetos e missões de outra dimensão. Já estivemos na Etiópia com as Nações Unidas, num acampamento de refugiados onde havia um grave problema com a água. Quando regressámos tivemos um jantar onde falei sobre o trabalho que tínhamos feito e os problemas que subsistiam. Uma das pessoas interessou-se, era um suíço, e um mês depois já tínhamos as verbas necessárias para fazer a distribuição da água. Mudou-se a vida de 60 mil refugiados. Estivemos também no Camboja com uma equipa de médicos franceses. Fui responsável pela distribuição de medicamentos. Só para ter uma ideia, o dentista arrancava 170 dentes por dia.

Tem alguma nova missão prevista?

Ainda não sei o que virá. Mas já estivemos também na Sérvia e no Egito. Hoje dedico-me à Ordem de Malta em Portugal e ajudo um padre em Évora que apoia mais de 100 crianças.

Nessas viagens encontrou uma realidade muito diferente da sua. Foi um choque?
Qualquer missão é dura e difícil. Quando entro no avião sei que estou a deixar para trás todo o conforto que conheço e que vou encontrar um universo diferente do meu. Temos que ser muito pragmáticos. Durante as missões não telefono a ninguém. É como se cumprisse serviço militar.

Não se sente impotente?

Milagres não se fazem. Para nos defendermos e não nos sentirmos frustrados não se pode pensar que se consegue tirar todas as crianças da rua, das lixeiras e levá-las para a escola.

Aparece muito nas revistas cor de rosa, não só cá como no estrangeiro. Como é que lida com essa exposição?
Não ligo nenhuma.

Não?!

Sabe, aprendi desde pequenina a conviver e a lidar com a imprensa. Aceito alguns pedidos, dou algumas entrevistas, apareço em alguns eventos. Mas depois não digo "acabei de dar uma entrevista para a 'Point de Vue', para a 'La Espanhola' e para a belga 'Royalty' ou para a 'Caras'". Possuo esse lado glamoroso, mas depois tenho uma vida como qualquer outra mulher. Vou ao hipermercado quando é necessário.

Gosta de cozinhar?
Adoro a vida que há à volta da cozinha. Gosto de lá estar, ir recebendo os amigos, falando com eles. Herdei o gosto pelo universo da cozinha da mãe, que gosta de cozinhar, receber e ensinar as receitas que sabe às nossas equipas.

Dizem que se for preciso fica satisfeita com uma fatia de piza.

É verdade. Como fiz a escola no sistema americano gosto da comida deles, ou seja, piza, hambúrgueres, junk food. Sou uma pessoa muito simples. (risos)

Tão simples que nos recebe em casa de pés descalços.

As pessoas é que criam ideias sobre os outros. Dizem: "ai a princesa, ai a duquesa", sou muito natural no dia-a-dia.

Como é que as pessoas a tratam?

Sempre me trataram por duquesa, mas desde que casei chamam-me princesa. Princesa Diana. E gosto que me tratem assim. É um mimo.

Vivemos numa República. Faz sentido tratarem-na assim?

Faz parte de quem eu sou. Fui educada assim. O meu nome também tem ajudado nos projetos humanitários, dá-lhes visibilidade.

Casou com um príncipe francês. Quais são as suas funções oficiais?

Tenho diversos compromissos no estrangeiro, atividades de caridade e convívios com várias famílias reais.

- Charles-Philippe d'Orléans e esposa Diana de Cadaval -


Divide-se entre Paris, Évora e o Estoril. Como é viver entre três mundos tão diferentes?

Viajo desde pequena. É o meu estilo de vida. Nasci na Suíça, a minha irmã nasceu em Nova Iorque, vivemos em Paris, o pai regressou... sempre me habituei a ter a vida na mala.

A passagem do título para si não foi pacífica. Tem duas irmãs do primeiro casamento do seu pai e a mais velha reclamava o título. Foi um assunto que alimentou a imprensa e as conversas de salão.

A história é simples: tenho duas meias-irmãs mais velhas, do primeiro casamento do pai, feito pelo civil, dado que a senhora já era casada. Quando o pai conheceu a mãe, casou pela igreja. Em termos de títulos, os casamentos que são válidos, reconhecidos, são os que se fazem pela igreja. Para o pai, nunca houve dúvidas. Sou a filha mais velha de um casamento religioso e por isso tenho direito natural ao título.

Mas em 1995 o seu pai chegou a ameaçar deserdar as filhas com o argumento de 'indignidade sucessória'...

Repita. Foi? Devia ser muito nova. Se isso aconteceu deve ter sido em relação às minhas duas meias-irmãs. Não me lembro desse assunto. O pai era uma pessoa muito generosa, deu casas, bens, mas a dada altura houve uns problemas entre o pai e essas duas filhas, que tiveram comportamentos muito feios com ele.

Fala com as suas duas meias-irmãs?
Não.

Parece que ambas as partes tinham argumentos jurídicos válidos. Dado que o primeiro casamento da primeira mulher do seu pai foi anulado...

Houve uma confusão. A Roseline, é assim que se chama, quis o título, meteu advogados e os pais fizeram o mesmo.

Porque é que para si fazia sentido herdar o título de duquesa de Cadaval, quando podia herdar outros - mais antigos e por isso mais importantes -, como marquês de Ferreira, conde de Tentúgal?

Era importante ser o chefe de família da Casa de Cadaval. Nas outras gerações, já são 11, todos herdaram, com o título, os títulos de marquês de Ferreira e conde de Tentúgal. Vinha tudo junto. Nunca em tantos séculos isto aconteceu, nem se pegou numa casa e se dividiram os títulos.

Toda esta polémica fez com que Duarte de Bragança extinguisse o Conselho de Nobreza, o organismo que confirmava e validava os títulos.

Sei que foi extinto, mas não sei se foi por esse motivo.

É verdade que em família chegou a um acordo com a sua irmã mais velha e decidiram que os descendentes titulares serão os seus sobrinhos, ou seja, os filhos da sua irmã?
Aonde é que ouviu isso? Estou a descobrir muita coisa consigo. Muita coisa. Que loucura! De maneira alguma. Deve ser uma piada. Se ler a resposta que o senhor Dom Duarte deu na 'Point de Vieu' verá que ele responde, preto no branco, que a situação está resolvida. Na altura dos filhos se verá, mas segundo ele deverão ser os meus. O que faz todo o sentido. Não estamos a inventar nada, seguimos uma tradição secular. Sou oficialmente a duquesa de Cadaval, a chefe da família, ponto final.

Esta questão dos títulos beliscou a sua relação com os duques de Bragança?
Não. O senhor Dom Duarte foi meu padrinho de batismo, de casamento, acompanhou-me sempre. Tenho um grande respeito por ele.

Vive num meio muito privilegiado? Tem noção do país real, das dificuldades das pessoas, da falta de emprego?
Tenho essa noção. Portugal vive num estado dramático. A percentagem do desemprego é elevadíssima. Faço parte daquela geração que teve vidas fantásticas, graças ao crédito e à possibilidade de arranjar emprego. As gerações anteriores tiveram uma vida bem mais difícil. Mas agora, devido à situação económica, há famílias que não podem pagar os créditos. Surgem os novos pobres, bem vestidos, bem arranjados, mas a quem o dinheiro não chega para pagar todos os compromissos. Não existem pobres só nos países africanos, também existem cá.

Sabe qual é o ordenado mínimo nacional?
450 euros. Admiro as pessoas que conseguem sobreviver com isso.

As revistas cor de rosa perguntam-lhe quando é que tem filhos. Não lhe faço essa maldade. Mas gostaria de saber quantos quer ter.
Desde que venham com saúde, fico feliz com os que vierem.

Vai educá-los como príncipes?
Serão principezinhos! Quero que sejam crianças felizes, mas cientes dos seus compromissos.

Quando vai às compras perde-se em quê?
Adoro sapatos, vestidos, joias. Não faço das compras um passeio. Quando vou às compras já sei onde quero ir.

Faz as compras em Lisboa ou no estrangeiro?
Olhe, sou como Maria Pia. Vou muito às compras a Paris.

Texto in Expresso online, 19-8-2010

Fotos in Google